top of page
Buscar
  • Foto do escritorDr. Ever Rodriguez

Olhos Vermelhos e Coceira: Tudo o que Você Precisa Saber Sobre Alergia Ocular e Como Aliviá-la

A alergia ocular, também conhecida como conjuntivite alérgica, ocorre quando os olhos reagem a substâncias irritantes chamadas alérgenos. Ao entrar em contato com esses alérgenos, os olhos produzem histamina, uma substância que causa sintomas desconfortáveis como coceira, vermelhidão e lacrimejamento.


Ao contrário de outros tipos de conjuntivite, as alergias oculares (conjuntivite alérgica) não são contagiosas.

Alergia ocular
Alergia ocular

O tecido que reveste a parte interna da pálpebra e a parte externa do globo ocular é chamado de conjuntiva. Esse tecido tem a função de manter a pálpebra e o globo ocular úmidos. A conjuntivite alérgica ocorre quando a conjuntiva fica inflamada.


Ilustração da anatomia ocular externa ocular evidenciando a Conjuntiva
Imagem ilustrativa evidenciando a Conjuntiva (Palpebral e Bulbar)

A conjuntivite alérgica é uma das formas mais comuns de conjuntivite. Segundo um relatório da National Health and Nutrition Examination Survey em USA, 6,4% dos 20.010 pacientes estudados relataram sintomas oculares, enquanto 29,7% relataram sintomas oculares e nasais combinados. Além disso, 40% da população relatou ter experimentado pelo menos uma ocorrência de sintomas oculares nos últimos 12 meses.


Apesar de sua alta frequência, a alergia ocular é frequentemente sub-diagnosticada e sub-tratada. Apenas 10% dos pacientes com sintomas de conjuntivite alérgica procuram atendimento médico. A maioria das pessoas recorre a medicamentos de venda livre e remédios não farmacológicos complementares.


TIPOS DE ALERGIAS OCULARES


Existem vários tipos de alergias oculares, cada uma com características específicas:


  • Conjuntivite alérgica sazonal (SAC) A Conjuntivite alérgica sazonal (SAC) é a forma mais comum e ocorre durante certas épocas do ano, quando os níveis de pólen são altos. Os sintomas incluem coceira, vermelhidão, queimação e lacrimejamento.


  • Conjuntivite alérgica perene (PAC) A Conjuntivite alérgica perene (PAC) ocorre o ano todo e é causada por alérgenos internos, como ácaros, mofo e pelos de animais. Os sintomas são semelhantes aos da SAC, mas tendem a ser mais leves.


  • Ceratoconjuntivite vernal Esta é uma forma mais grave de alergia ocular, que pode ocorrer durante todo o ano, mas piora sazonalmente. Afeta principalmente meninos e jovens do sexo masculino. Os sintomas incluem coceira intensa, produção significativa de muco, fotofobia e sensação de corpo estranho nos olhos.


Ceratoconjuntivite Vernal, com úlcera corneana em escudo.
Ceratoconjuntivite Vernal, com úlcera de córnea em escudo.

  • Ceratoconjuntivite atópica Afeta principalmente homens adultos com histórico de dermatite atópica. Os sintomas são semelhantes aos da ceratoconjuntivite vernal e podem incluir cicatrizes na córnea se não tratada.

Ceratoconjuntivite atópica, associada a alergia cutânea (dermatite atópica).
Ceratoconjuntivite atópica, associada a quadros de alergia cutânea (dermatite atópica).

  • Conjuntivite alérgica de contato Causada por irritação das lentes de contato ou proteínas das lágrimas que se ligam à superfície da lente. Os sintomas incluem vermelhidão, coceira, secreção mucosa e desconforto.


  • Conjuntivite papilar gigante Forma grave de conjuntivite alérgica de contato, associada ao uso de lentes de contato. Os sintomas incluem coceira, inchaço, lacrimejamento, secreção mucosa, visão embaçada e baixa tolerância ao uso de lentes de contato.

Conjuntivite papilar gigante
Conjuntivite papilar gigante

CAUSAS DAS ALERGIAS OCULARES


Os principais alérgenos que podem desencadear essa reação incluem:


  • Pólen: Proveniente de grama, árvores e ervas, é um dos alérgenos mais comuns, especialmente durante a primavera e o verão.

  • Poeira: Contém ácaros, pequenos organismos que são comuns em ambientes internos e podem causar reações alérgicas.

  • Pelos de animais: Provenientes de gatos, cães e outros animais domésticos, esses alérgenos podem estar presentes no ar e em superfícies da casa.

  • Mofo: Cresce em áreas úmidas e pode ser encontrado dentro de casa, especialmente em banheiros, porões e cozinhas.

  • Fumaça: Tanto de cigarro quanto de escapamentos de veículos pode irritar os olhos e desencadear sintomas alérgicos.

  • Perfumes: Alguns produtos perfumados, como sprays, desodorantes e produtos de limpeza, podem causar reações alérgicas em pessoas sensíveis.


Quando esses alérgenos entram em contato com os olhos, certas células imunológicas liberam histamina, resultando nos sintomas típicos de alergia ocular.


Alergia ocular desencadeada pelo Pólen
Alergia ocular por Pólen

SINTOMAS DAS ALERGIAS OCULARES


Os principais sintomas incluem:


  • Olhos vermelhos, inchados e com coceira: A histamina causa dilatação dos vasos sanguíneos, resultando em vermelhidão e inchaço.

  • Sensação de queimação ou lacrimejamento excessivo: Os olhos tentam expulsar os alérgenos produzindo mais lágrimas.

  • Sensibilidade à luz: A inflamação pode tornar os olhos mais sensíveis à luz.

  • Sensação intensa de corpo estranho: Pode ser tão desconfortável que o paciente tem dificuldade em manter os olhos abertos.

  • Opacidade da córnea: A córnea pode ficar turva em casos mais severos.

  • Perda de visão em casos graves: Em situações extremas, a visão pode ser afetada.


A pele das pálpebras também pode ser afetada, tornando-se espessa, inchada, com coceira ou vermelha. As crianças, em particular, podem esfregar ou revirar os olhos, apertar os olhos com força ou piscar com frequência para aliviar a coceira. Esses sintomas tendem a piorar durante a primavera e o verão, mas podem persistir durante todo o ano.


Além dos sintomas oculares, pessoas com alergias oculares frequentemente também sofrem de alergias nasais, que podem causar:

  • Nariz entupido

  • Coceira no nariz

  • Espirros frequentes

  • Dor de cabeça

  • Dor de garganta ou tosse

DIAGNÓSTICO


Para tratar corretamente as alergias oculares, um diagnóstico preciso feito por um oftalmologista é essencial. Este processo geralmente envolve:

  1. Exame Ocular: Com uma avaliação detalhada, o oftalmologista pode identificar sinais de alergia, como vermelhidão e inchaço nos olhos.

  2. Testes de Alergia: Em casos mais severos, testes específicos podem ser realizados para identificar os alérgenos responsáveis, ajudando a personalizar o tratamento.


TRATAMENTO DAS ALERGIAS OCULARES


  1. LÁGRIMAS ARTIFICIAIS: Podem lavar os alérgenos dos olhos, proporcionando alívio temporário.

  2. DESCONGESTIONANTES E ANTI-HISTAMÍNICOS: Reduzem a vermelhidão e a coceira, mas devem ser usados com cautela e por curto período.

  3. COLÍRIOS ESPECÍFICOS:

  • Anti-histamínicos: Bloqueiam os efeitos da histamina.

  • Estabilizadores de Mastócitos: Previnem a liberação de histamina.

  • Corticosteroides: Usados para tratar sintomas severos, mas requerem supervisão médica devido a potenciais efeitos colaterais. Lembre-se de que, embora os colírios de esteroides possam ser eficazes, seu uso prolongado pode causar sérios problemas de visão, incluindo glaucoma, catarata e infecções oculares. Portanto, o uso desses medicamentos deve ser monitorizados de perto por um oftalmologista.

4. IMUNOTERAPIA:

A imunoterapia, também conhecida como imunoterapia alérgica ou dessensibilização, é um tratamento para alergias oculares e outras formas de alergias. Este tratamento envolve a administração gradual de quantidades controladas do alérgeno ao qual o paciente é sensível, com o objetivo de reduzir a reação alérgica ao longo do tempo.


Benefícios da Imunoterapia para Alergias Oculares

  1. Redução dos Sintomas: Diminui a gravidade dos sintomas alérgicos, como coceira, vermelhidão e lacrimejamento.

  2. Diminuição da Dependência de Medicamentos: Pode reduzir a necessidade de medicamentos para o controle dos sintomas.

  3. Melhoria na Qualidade de Vida: Ao reduzir os sintomas, melhora a qualidade de vida do paciente.

Tipos de Imunoterapia

  1. Imunoterapia Subcutânea (SCIT): Injeções regulares de alérgenos sob a pele.

  2. Imunoterapia Sublingual (SLIT): Colocação de gotas ou comprimidos de alérgenos sob a língua.

Processo de Tratamento

  1. Fase de Iniciação: Administração de doses crescentes de alérgeno semanalmente ou a cada duas semanas.

  2. Fase de Manutenção: Uma vez alcançada a dose efetiva, administra-se uma dose constante com menor frequência (geralmente uma vez por mês).

Considerações

  • Duração: O tratamento pode durar de 3 a 5 anos.

  • Eficácia: Nem todos os pacientes respondem da mesma maneira. A resposta pode variar.

  • Segurança: Pode haver reações locais ou sistêmicas, por isso é importante realizar o tratamento sob supervisão médica.


PREVENÇÃO DE ALERGIAS OCULARES: DICAS PRÁTICAS


Manter seus olhos saudáveis e livres de alergias é essencial para o seu conforto e qualidade de vida. Aqui estão algumas dicas práticas e eficazes para prevenir alergias oculares:


EVITAR ALÉRGENOS

Ambiente Interno:

  • Mantenha as janelas fechadas: Use ar condicionado para reduzir a exposição a alérgenos externos.

  • Limpeza frequente: Limpe áreas úmidas regularmente para evitar mofo.

  • Capas redutoras de alérgenos: Utilize capas em travesseiros e lave a roupa de cama com água quente para matar ácaros e remover alérgenos.

Ambiente Externo:

  • Fique atento à contagem de pólen: Evite sair de casa quando a contagem de pólen estiver alta, especialmente no meio da manhã e no início da noite.

  • Proteja seus olhos: Use óculos de sol para proteger os olhos do pólen e outros alérgenos.

Animais de Estimação:

  • Cuidado com os pêlos: Se for alérgico a pêlos de animais, lave as mãos após tocar em seus animais de estimação.


HÁBITOS DIÁRIOS PARA PREVENÇÃO

  • Evite tocar ou esfregar os olhos: Isso pode piorar os sintomas da alergia.

  • Lave as mãos frequentemente: Use água e sabão para manter as mãos limpas.

  • Lave o rosto: Após exposição a alérgenos como poeira ou pólen, lave o rosto para removê-los.

  • Higiene das roupas: Lave suas roupas frequentemente para remover alérgenos.

  • Banho antes de dormir: Tome banho para remover alérgenos do cabelo e da pele antes de dormir.

  • Cuidados com lentes de contato: Mantenha as lentes de contato e os estojos limpos, trocando a solução diariamente.

  • Use ar condicionado: Evite ventiladores de janela que podem atrair pólen e mofo do exterior.

  • Óculos de sol: Use-os ao ar livre para limitar a quantidade de pólen que entra em contato com seus olhos.

  • Roupa de cama: Lave-a em água quente regularmente para reduzir os alérgenos.

  • Lágrimas artificiais: Use lágrimas artificiais indicadas pelo seu oftalmologista para enxaguar os olhos e remover alérgenos.

  • Compressas frias: Aplique uma compressa fria nos olhos que coçam para alívio adicional.

  • Lave o cabelo todas as noites: O cabelo pode acumular muito pólen durante o dia, lavá-lo à noite ajuda a removê-lo.


Manter esses hábitos pode fazer uma grande diferença no controle das alergias oculares e no seu bem-estar geral. 

Se você está lidando com sintomas persistentes de alergia ocular, não hesite em procurar a orientação de um oftalmologista para um tratamento adequado. Com os cuidados certos, é possível manter seus olhos saudáveis e livres de irritações.


Na Clínica EYECO, contamos com médicos especialistas em ALERGIAS OCULARES E INFLAMAÇÃO INTRA-OCULARES de renome nacional e internacional. Para nós, sua visão é primordial, e estamos aqui para ajudá-lo a cuidar dela da melhor forma possível.


Responsável: Dr. Ever Ernesto Caso Rodriguez | CRM-SP: 160.376

Confira essa e outras informações na nossa página do Facebook ou Instagram.


Faça seu agendamento via WhatsApp



24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page